A vida em tons de cinza

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013


"No auge do inverno, finalmente percebi que dentro de mim havia um verão invencível." - Albert Camus

Hoje, a CL traz a coragem, a persistência e a fé das personagens apresentadas no livro "A vida em tons de cinza". A beleza da obra já começa pela capa que praticamente resume os sentimentos encontrados entre as linhas a serem lidas. Uma história que tem como fundo o nazismo - responsável pela destruição de milhares de vidas e sonhos - e que nos permite conhecer o lado gélido do cenário principal de toda a trama: os campos de concentração.

O livro, a princípio, parece não atender as expectativas quando nos deparamos com a sinopse. Um ledo engano de quem pensa assim (como muitos que já leram declararam ter pensado). Ele surpreende e prende o leitor a cada página que se inicia e se conclui. A edição favorece ainda mais o prazer em continuar a leitura, com um texto sutilmente espaçado, de forma que o leitor não canse a visão.

A narração é tão tocante e delicada que a história consegue transpassar algumas sensações inexplicáveis. Há quem diga que,  em alguns momentos, é possível "sentir" o frio e o gelo numa forma quase que tangível, tamanha a qualidade da narração. Quanto ao enredo em si, o destaque é para a lição de vida ensinada por meio de personagens tão bem caracterizadas pela autora. 

Crer é a palavra-chave. E não falamos em crenças religiosas, mas sim, na capacidade de acreditar que as coisas podem melhorar, na manifestação do amor incondicional que se mantém forte e serve de apoio ao próximo, na presença da coletividade, da união e do nobre sentimento de generosidade que chegam aos níveis de sacrificar-se o próprio bem-estar para proteger a quem se ama. 

Para quem deseja conhecer o livro um pouco além do que a sinopse relata, fica aqui um vídeo que explica como a história foi pensada e construída. Tenha o prazer de conhecer as lições escondidas entre as páginas de "A vida em tons de cinza". Não deixe de ler!

Sinopse: 

"Lina Vilkas é uma lituana de 15 anos cheia de sonhos. Dotada de um incrível talento artístico, ela se prepara para estudar artes na capital. No entanto, a noite de 14 de junho de 1941 muda para sempre seus planos. Por toda a região do Báltico, a polícia secreta soviética está invadindo casas e deportando pessoas. Junto com a mãe e o irmão de 10 anos, Lina é jogada num trem, em condições desumanas, e levada para um gulag, na Sibéria. Lá, os deportados sofrem maus-tratos e trabalham arduamente para garantir uma ração ínfima de pão. Nada mais lhes resta, exceto o apoio mútuo e a esperança. E é isso que faz com que Lina insista em sua arte, usando seus desenhos para enviar mensagens codificadas ao pai, preso pelos soviéticos.

A vida em tons de cinza conta a história de um povo que perdeu tudo, menos a dignidade, a esperança e o amor. Para construir os personagens de seu romance, Ruta Sepetys foi à Lituânia a fim de ouvir o relato de sobreviventes dos gulags. Este livro descreve uma parte da história muitas vezes esquecida: o extermínio de um terço dos povos do Báltico durante o reinado de horror de Stalin. Para Estônia, Letônia e Lituânia, essa foi uma guerra feita de crenças. Esses três pequenos países nos ensinaram que a arma mais poderosa que existe é o amor, seja por um amigo, por uma nação, por Deus ou até mesmo pelo inimigo. Somente o amor é capaz de revelar a natureza realmente milagrosa do espírito humano."

Um comentário:

  1. Eu amo livros desse gênero, faz com que a gente tenha vontade de mudar a vida. Toda vez que termino um desses, mudo um pouquinho minha visão sobre a vida. Ótima dica de leitura :D

    ResponderExcluir