A Sétima Arte #1: Howl (2010)

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013



Para ouvirem enquanto leem o post: 


Living Music - Howl



Olá Olá! Aqui quem vos fala é Lucas Bilk e no primeiro post da nova coluna do blog falaremos sobre Howl.

O filme de 2010 dirigido por  Rob Epstein (American Beauty) e Jeffrey Friedman (Paragraph 175), com participações de James Franco (127 Horas) como Allen Ginsberg no papel principal, Jon Prescott e Todd Rotondi fazendo participações secundárias como Jack Kerouac e Neal Cassady respectivamente.

O Poema O Uivo foi inicialmente publicado em Howl and Another Poems, 1956. Ao ser publicado em 1956 o poema foi alvo de críticas por ser "obsceno e vulgar, sendo o debate levado à julgamento na Suprema Corte Americana para a análise do possível veto à publicação. Escrito por Ginsberg com dedicatória à Carl Solomom, escritor que foi companheiro de Ginsberg em um instituto Psiquiátrico, o poema é praticamente um roteiro de toda a geração Beat. Permeado de referências à outros escritores, como Kerouac e Cassady, o poema retrata a marginalização dos artistas da época, a condição de vida do grupo e o modo de vida americano.

O filme Howl nos apresenta a atmosfera que envolve o poema em quatro frentes: Cenas de um pseudo documentário com Ginsberg sendo entrevistado à respeito de sua vida, Flashbacks de episódios da vida de Ginsberg, uma animação acompanhada da leitura de O uivo por James Franco, e o julgamento do possível veto à publicação de O Uivo. O filme apresenta as cenas de forma muito bem entrelaçadas, as animações de O Uivo trazem toda a atmosfera caótica presente no poema, que quando intercalada com as cenas de flashback e depoimentos trazem uma base às referencias do poema. James Franco consegue com maestria interpretar Allen Ginsberg, trazendo na voz o ritmo e o tom característicos de Ginsberg.

O Uivo é a ânsia de toda uma geração caótica, um poema que traz histórias que poderiam ser vividas por qualquer jovem da época, que traz consigo o escárnio ao American way of life, que traz sobretudo desespero, mas que em momento algum se torna menos belo. O Uivo é violento, obsceno e cáustico, mas é apenas a verdade.

"Eu vi os expoentes da minha geração destruídos pela loucura, morrendo de fome, histéricos, nus. . ." - Howl (1956). GINSBERG, Allen.

Para assistir:

James Franco, na leitura de Holy (Um fragmento de O Uivo)

Holy, na voz do próprio autor.


E por hoje é só, pessoal. Fica aí a dica da primeiro post da coluna A Sétima Arte. Quaisquer dúvidas, sugestões de filmes e livros e opiniões sobre o filme, deixem um comentário no post.

Obrigado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário